Esqueci minha senha

ASSINE J√Ā

O CORNINHO NUNCA DESCONFIOU
Por: MARCOS
Visualizado 1851 vezes

O corninho dela nunca desconfiou


Primeiramente eu gostaria de dizer que este relato é absolutamente real e esta é a primeira vez que o conto publicamente, motivo pelo qual trocarei os nomes das pessoas para evitar problemas. Meu nome é Marcos, tenho 30 anos, sou casado, trabalho com vendas e resido em uma cidade do interior paulista. Na empresa onde trabalho, também trabalha um rapaz chamado Paulo, que também é casado (sua esposa se chama Joyce) e é um grande amigo meu, pois trabalhamos sempre juntos. Em agosto de 2006, tive que passar por uma pequena cirurgia no tornozelo esquerdo (por um antigo problema de ligamento que eu tinha), razão pela qual me mantive internado (em quarto particular, tipo apartamento) por três dias no hospital da minha cidade. No segundo dia da minha internação (ou seja, quase dois dias após a cirurgia), a Joyce (esposa do meu amigo Paulo) veio me visitar. Ela é uma morena muito bonita, 28 anos, mede aproximadamente 1,70m., tem cabelos na altura das costas e um pouco encaracolados, seios médios, coxas grossas, etc.; mas confesso que jamais havia passado algo em minha cabeça sobre ela, pois somos muito amigos e ela também é super amiga da minha mulher (estamos sempre juntos nos finais de semana, em festas, churrascos, etc.). Quando ela chegou no quarto eu estava apenas com um lençol me cobrindo até a cintura, pois eu usava apenas uma cueca, não havia mais ninguém no quarto e eu não esperava visitas. Ela chegou toda sorridente, me cumprimentou com um beijo no rosto, perguntou se eu estava bem e quis saber sobre a cirurgia (como foi, se estava doendo, etc.). Expliquei a ela que tudo haia corrido bem e que eu já estava bem recuperado, quando ela então me pediu para ver o local da cirurgia. Não sei se por descuido, esquecimento ou por pura simplicidade mesmo (confesso que até o momento nada de mais havia passado pela minha cabeça), eu puxei o lençol todo para o lado para ela poder ver o local da cirurgia (no tornozelo). Somente então me lembrei que estava apenas de cuecas, mas mantive a calma para não passar vergonha e pagar um mico com minha amiga. Percebi, no entanto, que ela deu uma olhada na minha cueca e deixou escapar um sorrisinho na ponta dos lábios. Continuamos conversando normalmente e, creio que involuntariamente, ela colocou a sua mão direita na minha perna esquerda (ela sempre teve essa mania de conversar "tocando" as pessoas), que continuava descoberta (sem o lençol). Instantaneamente e acho que por reflexo, senti meu pau dar sinal de vida e começar a ganhar volume (tenho um pinto normal, de 17 cm e um pouco grosso). Mesmo assim tentei manter a calma, pois a situação era realmente constrangedora. No entanto, ela olhou novamente para o volume em minha cueca, percebeu que o "pacote" estava maior, olhou pra mim, deu uma risada e perguntou se eu estava a perigo. Eu pedi desculpas e disse que aquilo era um reflexo involuntário e talvez fosse um dos efeitos da cirugia. Ela sorriu novamente mas continuou com a mão em minha perna e disse que aquilo era normal e que o marido dela também tinha isso. Continuamos a conversar mas, nessa altura, meu pau já estava enorme, quase saindo da cueca e eu nem sei mais sobre o que estávamos falando. Nisso ela olhou novamente para ele, subiu sua mão (que ainda estava em minha perna) e passou sobre minha cueca. Ela esfregou a mão sobre ele e deu uma apertadinha. Nisso o silêncio tomou conta do quarto, ela me olhou novamente e disse: "Ai, isso é loucura. Sou casada e não posso fazer isso!" Nesse momento, eu coloquei minha mão sobre a dela e mantive sobre o volume. Ela não disse nada e continuou .....
VEJA TODOS OS CONTOS DE AMIGOS NA NOVA SEÇÃO "CONTOS COM FOTOS" EM NOSSO DELICIOSO SITE. CLICA EM: FOTOS DE SELMA.
www.selmabrasil.com
SELMA


&acopy; Todos os direitos reservados
selmarecife.com.br