Esqueci minha senha

ASSINE JÁ

ESTUPRADA PELO SEGURANÇA.
Por: CAROL.
Visualizado 4594 vezes

Oi meu nome é Carol e vou contar como fui estuprada dentro da empresa que trabalho, quando isso acorreu eu tinha 25 anos e era noiva, tenho 1,65 m , 50 kg bem distribuídos, loira, cabelos longos, olhos claros, pernas bem delineadas, seios médios e bem empinados, chamo muito a tencão por ande passo com comentários e cantadas. Trabalho como secretária em uma empresa e lá todos de chamam respeitosamente de Dona Carol. Percebo que todos me olham com olhos bem gulosos, pois me visto bem; adoro usar saltos bem alto, roupas decotadas, que valorizam meus seios, e saias justas que me fazem sentir muito poderosa e gostosona. Tudo aconteceu em uma noite de sexta-feira que fiquei trabalhando sozinha até mais tarde como ás vezes fazia. Nesse dia o seguranca da empresa havia sido despedido e era o seu ultimo dia de trabalho. Estava na minha sala no segundo andar quando ele entrou bruscamente eu disse a ele que tinha que bater na porta, ele pegou um revolver na cintura e veio em minha direcão, fiquei assustada e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que era seu ultimo dia ali e que queria levar “algumas coisas” isso num tom bem malicioso. Disse que não tinha nada de valor, mas ele me mandou levantar e abrir um armário que fica no canto veio e comecou a rocar em min, eu me virei e disse brava par ele parar, nisso recebi um forte tapa no rosto e ele falou que o que veio buscar foi minha bucetinha e que era bom eu colaborar porque ele ia me comer de qualquer jeito, pois eu era uma puta que adorava andar por ai se mostrando e agora ia levar pica de verdade. Comecei a chorar e pedi pra ele não fazer isso, recebi outro tapa no rosto, tentei argumentar e ele me bateu de novo. Eu senti que ele gostava mesmo era de bater. Já estava como o rosto vermelho pegando fogo ele me segurou por trás, levantou minha saia e passou a mão na minha bunda enviando o dedo no meu cuzinho. Me virou e levantou de vez minha saia até a cintura me deixando de calcinha na frente dele, fiquei morrendo de vergonha, estava com uma calcinha preta, pequena de renda o que deixou o cara maluco. Me jogou sobre a mesa e arrancou minha calcinha e comecou enfiar a língua na minha bucetinha, eu tentava resistir, mas ele sempre vinha e me baita no rosto e eu percebi que ele gostava de bater enquanto transava. Metia a língua na minha buceta que parecia querer sugar ela para fora, abriu minha blusa e comecou a chupar meus peitinhos durinhos, dizendo que eu era a mulher mais gostosa que ele já tinha visto. Ele era branco,forte, cerca de 35 anos, deve ter uns 1,85 m, musculoso e quando abriu a calca olhei disfarcada seu caralho, era bem maior do que o do meu noivo que foi o único que eu tinha transado, o cacete dele era grande, grosso, cheio de veias, com a cabeca rosada e logo vi que levar aquela pica não ia ser fácil já que minha xoxotinha é apertadinha. Segurou minha cabeca e mandou eu chupar sua pica, demorei um pouco, levei outro tapa e ele enviou de vez o cacete na minha boca. Lá estava eu chupando uma pica de um estranho e sendo tratada feito uma putinha. Ele tirou toda minha roupa me deixando peladinha e comecou me elogiar, me colocou de novo deitada na mesa, abriu minhas pernas e o posicionou seu caralho na portinha da minha buceta e comecou a forcar, eu chorava e pedia e ele pra ir devagar, ele segurou meus bracos e dava tapinhas no meu rosto dizendo que ele ia meter do jeito que quisesse e me olhando nos olhos foi enviando seu caralho que parecia rasgar minha xoxota, deitou seu corpo sobre min e senti suas bolas me tocar, a pica estava toda dentro da minha buceta que ardia e pulsava forte. Ficou uns 20 minutos me fodendo assim, até me virar de costas e comecar me dar vários tapas na bunda dizendo que eu era a puta mais gostosa que ele comeu. Mandei eu empinar a bunda e meteu de novo na buceta numa estocada forte que me fez gritar. Segurou meus cabelos com uma mão, com a outra mão dava tapas na minha bunda enquanto metia como um animal na minha buceta arregacada pra ele. Senti que ele ia gozar, tirou a pica da buceta e veio e enfiou bruscamente na minha boca, tentei sair mas era tarde senti um jato de porra na boca que quase engasguei. Ele soltou minha cabeca e ainda esporrou mais no meu rosto, senti o cheiro e o gosto daquele esperma em min. Passou mão no meu rosto limpando sua porra e me fez lamber seus dedos enquanto continua batendo no meu rosto que já estava bem vermelho de tanto apanhar. Quando pensei que tinha acabado ele pegou seu caralho meio mole e me fez chupar outra vez, senti novamente o gosto de esperma e percebi sua pica crescendo na minha boca. Ele disse que agora ia comeu cuzinho, fiquei desesperada, comecei a chorar e falei que nunca tinha dado e que não agüentaria sua pica no cu. Me virou de costas e bateu várias vezes na minha bunda deixando diversas manchas vermelhas. Lembrei do meu noivo que sempre quis comer meu cuzinho e eu nunca dei por pudor e medo da dor e agora tinha um caralho quase com o dobro do tamanho do dele rocando minha bunda e não tinha como dizer não ou fugir. Depois de bater como bem quis na minha bunda deitou sobre min e comecou a morder de leve meu pescoco e dizer palavrões e sussurrar no meu ouvido que meu cabacinho do cu seria dele. Encostou sua tora na entrada do meu cuzinho e comecou a forcar, eu tentava tirar a bunda da reta, mas ele me prendia com as pernas, me mandou relaxar que eu ia gostar, como não tinha jeito comecei a obdecer, ele foi colocando a cabeca e me mandou rebolar e não contrair o cuzinho que forcasse para fora que seria mais fácil. Comecei a fazer e senti seu caralho me invadir por trás, tentei gritar, mas ele tapou minha boca e com muito jeito foi colocando aos poucos, parece que tinha experiência em comeu cu, pois acabou se tornando mais fácil do que eu imaginei. Fui mexendo a bundinha bem devagar procurando aliviar a dor e de repente senti suas bolas tocarem minha bunda e percebi que sua tora estava toda enfiada no meu cuzinho. Ele comecou a fazer movimentos bem de leves o que já não causava tanta dor, e comecei a curti ser enrabada daquele jeito. Ele aumentou os movimentos me puxando forte pra ele arrebentado completamente meu cabacinho do cu. Urrou forte e gozou feito um animal no meu rabinho. Ficou um pouco com o pau dentro e depois foi tirando devagar, com certo carinho. Senti que estava arrebentada, minha buceta ardia e meu cu parecia que estava dilatado. Ele vestiu a roupa rápido, me deixando nua na mesa, me avisou que se eu contasse o que aconteceu ele voltaria e acabaria comigo. Fiquei ali jogada na mesa me sentindo usada feita uma prostituta e o mais estranho é que sentia certo prazer nisso. Ele antes de sair veio me deu outro tapa na bunda segurou forte meu rosto e disse que eu era ótima e foi embora. Nunca mais soube dele. Fui embora e fiquei dois dias perturbada sem saber o que fazer toda dolorida e ardendo. Então tomei coragem procurei meu noivo e contei tudo a ele. Achava que ele ficaria furioso e até terminaria comigo. Pelo contrário ele me apoiou e disse que agora ele podia também comer meu cuzinho. Casamos há um ano e ele sempre pede quando transamos para eu falar como o seguranca me comeu que ele fica com muito tesão. Depois desse dia adoro levar uns tapinhas no rosto e na bunda me deixa Louca de tesão Em uma viagem recente ele me fez transar com um camareiro do hotel que também comeu minha bundinha, enquanto ele assistia. Acho que virei mesmo uma putinha. Se você quiser me comer também mande um e-mail para meu marido e trate com ele como quer me fuder, estou aguardando. Carol e Nando


&acopy; Todos os direitos reservados
selmarecife.com.br