Esqueci minha senha

ASSINE JÁ

MÔNICA TRAI MARIDO BÊBADO.
Por: MÔNICA
Visualizado 3859 vezes

Meu nome é Monica, tenho 30 anos, sou morena do tipo gostosinha, com uma bundinha que chama a atenção por onde passo e que deixa meu marido louco de tesão. Meus seios são médios do tamanho ideal pra ser abocanhados, como diz meu maridinho. Há algum tempo atrás, em julho deste ano, meu marido viajou a trabalho e me deixou em casa literalmente na seca. Ele voltou numa sexta-feira, muito cansado sem ânimo pra transarmos. Apesar de louca de saudades do meu maridinho, não teve jeito. No sábado após o almoço quando pensei que finalmente ele ia me saciar, nada. Ele saiu pra jogar bola me prometendo atenção quando voltar. Fiquei animadinha, tomei um banho gostoso, aparei os pelinhos da minha bocetinha, coloquei uma roupinha leve, um topzinho e um short confortável que valoriza muito meu corpo, especificamente meu bumbum. Ele demorou horas, mas como tinha trabalhado muito, nada mais justo que deixa-lo espairecer um pouco. Quando escutei o barulho do carro chegando, bocetinha até ficou meladinha, sabia que estava chegando a hora que tanto aguardava à semana toda. Mas para minha surpresa, quando meu marido entrou em casa, estava acompanhado por dois amigos de futebol. Ele ainda me disse que iram assistir a um jogo que estava passando na TV. Fiquei “P” da vida e me contive para não armar um barraco na frente dos amigos do meu marido. Começaram a tomar umas cervejas. Sentaram no sofá, e o assunto logo caminhou para futebol e mulher. De onde eu estava, na cozinha, ouvia tudo o que diziam. Aquilo estava me deixando muito irritada. Me deu um sentimento desanimador, meu marido ao invés de querer ficar comigo, preferia a companhia daqueles tontos. Que raiva. Fiquei ainda fazendo sala para aqueles indiscretos colegas do meu marido. Em certo momento, após ter feito alguns tira-gostos para eles, sentei no sofá e fiquei escutando a conversa mais de perto. Já tinha ouvido de tudo. Um amigo do meu marido, um moreno bem forte e muito safado, quando eu estava na cozinha, percebi ele falando que gostava de colocar a mulher de joelhos e bater na cara dela com o pau. Dizia que mulher é tudo safada. Mas quando me aproximei, eles maneraram um pouco o palavreado. Percebi que já estavam meio bêbados. Ficamos ali meios mudos, e comecei a me lembrar de algumas besteiras que tinha ouvido lá da cozinha, acredito que eles imaginavam que eu não ouvia o que se passava na sala da minha casa, mas neste instante me lembrei do moreno dizer que adorava gozar no rabo das mulheres e que soltava muita porra. Eu sem transar há tanto tempo, comecei a ficar excitada com aquelas lembranças dos assuntos falados há pouco. Acho que meio involuntariamente, comecei a olhar mais pro cara. Ele estava com uma bermuda e denunciava um volume interessante do seu pau. Não sei ao certo, mas minha bocetinha começava a anunciar minha excitação pelos pensamentos que passavam por minha cabeça. Acho que sem intenção passei a provocar o amigo do meu marido com muita sutileza. Tentando não deixar transparecer nada, sentei-me um pouco mais de lado pra ele, mas da forma que fiz, acabei deixando exposta minha bundinha. Notei que ele começou a olhar bastante, e este flerte me excitou ainda mais, meus peitos estavam de bicos durinhos marcando o top. Acho que quando ele percebeu isto, seu pau começou a dar sinal de vida. Meu marido estava muito bêbado e cochilava no sofá. Seu outro amigo, também não sabia nem onde estava e também começava a incomodar. De sóbrio, só eu e o moreno. O silencio era algo intrigante e qualquer movimento os sons eram facilmente percebidos. Eu sabia que meu marido, logo-logo começaria a roncar. O moreno, já acariciava seu pau de forma mais insinuante, ajeitava-se no sofá mais a vontade e fingindo ver o jogo, apenas voltava seu olhar para mim, talvez para ver se eu percebia o estado que se encontrava. Esta situação mexia muito comigo e de certa forma me excitava. Eu tentava olhar com certa naturalidade pra ele, ao menos tentava, de modo que ele pensasse que eu era sempre assim e não pensasse que gostaria de fuder com ele. Afinal não podia trair meu marido. O tempo foi passando e começou a chover muito. Pensei comigo. E agora, vou ter que aturar estes três bêbados em minha casa? Já tinha escurecido e nada deles irem embora e eu estava muito incomodada, além de perceber o risco que meu marido estava correndo, devido os pensamentos que me perturbavam. Com a chuva começaram os relâmpagos e de repente a luz apaga. Ficamos ali no escuro eu ao lado do meu marido e os outros dois no sofá ao lado. Passou uma meia hora e nada. Escutei meu marido começar a roncar de bêbado, juntamente com seu outro colega e nada da luz voltar. Tentando acabar com o constrangimento, falei que iria até a cozinha procurar uma lanterna que tinha guardada. O moreno percebeu que a situação lhe era favorável e disse que ia me ajudar. Chegando lá comecei a procurar e vi que o safado fazia questão de se esfregar em mim sempre que podia. Ele era educado, tinha classe, apesar de tudo, e parecia ser discreto. Seu jeito, começava a cativar-me. Teve uma hora que eu estava procurando uma coisa num armário alto e ele encoxou-me na cara dura com a desculpa de me auxiliar. Não encontrei a lanterna e ficamos ali conversando amenidades até que um trovão muito alto me assusta e eu instintivamente abraço-o com medo. Como não é bobo nem nada me enlaçou pela cintura com aqueles braços fortes e disse que não era pra me preocupar, falou isto muito baixinho no meu ouvido, de forma não chamar a atenção do meu maridinho e do seu outro colega que estavam apagados na sala. Como não demonstrei resistência, e o arrepio que senti me denunciou, ele me virou de costas pra ele, posicionou aquele cacete bem no meio da minha bundinha e começou a me dar umas mordidinhas no meu pescoço me elogiando. Ficamos ali alguns minutos, tempo suficiente para ele dizer o quanto estava achando meu marido um idiota em preferir ficar bebendo com os amigos ao invés de ficar. Nisto eu concordei com ele. Começou então com essas conversinhas moles, denunciando claramente o que queria.. Eu comecei a ficar muito excitada também, pois jamais vivi uma situação tão arriscada como aquela. E tenho que admitir, ele era um moreno forte e da forma como me apertou, deu para perceber que tinha um belo pau. Que fizeram minhas resistências ficarem mais fracas, tamanho era o tesão que eu me encontrava. Virei-me de frente pra ele e dei um super beijo de língua que me balançou as pernas. Ele aproveitou e apertou minha bunda, passou a mão nos meus peitos e até me chamou de gostosa o que confesso ter adorado. A forma como as coisas aconteciam, me fizeram confiar nele, pois percebia que também se preocupava em não fazer barulhos para não chamar a atenção. Tendo esta confiança, ousei um pouco e levei a mão até seu instrumento e percebi que realmente era muito grande e grosso, do jeito que eu nunca tive. Antes que acontecesse alguma coisa, tinha que me livrar do meu marido, ou ao menos certificar-me que ele não acordaria, e também do outro bêbado, que a esta altura já me incomodava e muito. Pedi para o moreno que arrumasse ........

VEJA TUDO AGORA, COMPLETINHO, SENDO MAIS UM SÓCIO AMIGO.

www.selmabrasil.com


&acopy; Todos os direitos reservados
selmarecife.com.br